sexta-feira, 13 de outubro de 2017

[Resenha] Corte de Névoa e Fúria - Sarah J. Maas


Olá, queridos companheiros de viagem! Como vocês estão? Espero que estejam ótimos!

Hoje trago a resenha de um livro que me abalou, me fez suar e, por fim, fez meu queixo cair. Eu o li em Janeiro, deste ano, e só agora me sinto preparada para falar sobre ele sem dar um ataque. E isso porque estou finalizando seu terceiro volume, que está sendo lançado neste mês.

Caso você só tenha lido o primeiro volume da série, Corte de Espinhos e Rosas, não se preocupe com spoilers, você está em terreno seguro. Agora, se você ainda não leu nada, qualquer coisa pode ser um spoiler. Então, acho mais aconselhável desistir dessa viagem e embarcar no trem que leva para a resenha do primeiro volume, que pode ser encontrada aqui.



Após os acontecimentos de Sob a Montanha, e com todas as transformações que lhe ocorreram lá, Feyre encontra-se quebrada, partida, de coração ferido. Embora tenha conseguido salvar seu amor, Tamlin, e toda a Corte Primaveril, ela é assombrada constantemente pelas coisas que precisou fazer, não está conseguindo suportar o fardo de ter sido obrigada a tomar tais atitudes. Seus sonhos são perturbados com as cenas mais horríveis possíveis e se tudo isso não bastasse, ela precisa lidar com a superproteção sufocante do Grão-Senhor da Corte Primaveril. 

Soma-se a tudo isso a sombra do pacto que ela fez com Rhysand, o Grão-Senhor da Corte Noturna, um alguém sobre quem ela ouviu horrores, aprendendo a repudiá-lo instantaneamente.  Sem saber quando ele retornará para cobrar sua parte no trato, ela tenta se distrair com os preparativos para a cerimônia de casamento com Tam, recebendo o auxílio de Ianthe, uma Grã-Sacerdotisa (demônia seria mais apropriado).   

Eis que chega o momento de Rhys cobrar o trato e Feyre é levada para a Corte Noturna com ele, morrendo de medo das coisas terríveis com as quais ele pode torturá-la. Mas acontece que Feyre é surpreendida até à tampa com tudo o que acontece nesta corte. Rhysand tem uma fama que o precede, mas que não faz jus ao seu verdadeiro eu. É então que Feyre aprende o verdadeiro significado de lar, amizade, lealdade e amor. 

"- Você mandou aquela música para minha cela. Por quê? A voz de Rhysand estava rouca. 
- Porque você estava se partindo. E eu não pude encontrar outra forma de salvá-la."

Uma nova ameaça espreita toda Prythian, ainda mais perigosa e mortal, e Feyre terá que deixar seus temores de lado, terá que confiar em quem ela menos espera e, por fim, terá que transformar seu corpo em uma arma letal. 


Nada, exatamente nada do que eu diga nesta resenha será capaz de expressar a maravilhosidade deste livro. A autora deveria ganhar um prêmio pela capacidade de desconstruir esta história. Imagine você que o primeiro livro foi como um castelinho, que foi colocado a baixo e em seu lugar foi construído outro muito melhor, maior, mais esplendoroso e mais belo. A capacidade que ela teve de desconstruir o Tam e o Rhys é assustadora. Ela te mostra dois alguéns completamente diferentes. 

"Você é a minha salvação, Feyre."

Sem contar que a própria Feyre cresce muito. Se torna ainda mais forte, corajosa, empoderada, destemida. A coitada tem que enfrentar coisas absurdas aqui, além de ter que aprender a todo custo domar suas novas habilidades. O livro é recheado de surpresas, cenas de lutas, armações, dissimulações, pactos, treinos, estrelas, envergadura, asas, guerreiros e muito mais.

Sarah é formidável neste livro e deixa qualquer um ofegante com os acontecimentos. O final deixa o leitor louco pela continuação e ter que esperar nove meses por ela não foi algo fácil. Enfim, entrou para os favoritos do ano e da vida. Amei sem medidas!

Vou ficando por aqui. Espero que tenham gostado da resenha, um beijo no coração de todos e até a próxima. <3

Nota no Skoob: 5/5 + ♥ 

Outras informações

Ano: 2016
Páginas: 658
Editora: Galera Record
Sinopse: O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de espinhos e rosas, da mesma autora da série Trono de vidro Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.

Rhysand, também conhecido como
grande amor da minha vida. ♥


Um comentário:

  1. Oi Ingrid,
    Tenho o primeiro e segundo volumes dessa trilogia. A Aline também ama essa história e tenho muita vontade de ler. Confesso que o tamanho me desanima um pouco, mas é tanta gente falando bem que... não tenho desculpas. Espero ler logo. Não li a resenha toda pra não pegar spoilers... Rsrs
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir

Gostou da matéria? Então deixe seu comentário abaixo.
Beijo!